Bem-aventurados os que sonham. Chama-os Deus poetas.*

sábado, 1 de outubro de 2016

RESULTADO FINAL



Comissão Julgadora de poemas:
André Kondo
Jeferson Nunes
Pedro Mello

Coordenação geral:
Eliana Ruiz Jimenez

Realização: 

André Otávio Vieira de Mello 
MPSC - 5ª. Promotoria de Justiça 
de Balneário Camboriú/SC



POESIAS VENCEDORAS
(Por ordem alfabética)


POEMINHO

Reparei
que todo sabiá
que é de gaiola

pela manhã
antes de tudo

canta a Canção
do exílio.

André Foltran
São José do Rio Preto - SP





BEM-TE-VI

Bem te vejo,
bem te digo,
bem te quero,
benfazejo
sempre aqui.
Bendito fruto,
Deus te guarde
nas florestas,
onde, entre réstias,
bem te vi.

André Luís Soares
Vila Velha - ES





Sussurros da terra
Entre os caminhos da chuva:
De repente, a flor.

Alfredo Guimarães Garcia
Ananindeua - PA





Nem cofres nem gavetas
Tudo que me vale cabe no olhar
Voam borboletas
https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif
Alvaro Posselt
Curitiba - PR



POEMA LÓGICO

Enxaguar no balde ou bacia
manter a torneira fechada
reflorestar as margens dos rios.
São bons conselhos, porém
o que têm a ver com poesia?

Acontece que a natureza
pode trazer dor ou beleza.
E a escolha entre errado ou certo
é que define se haverá versos
ou o silêncio infinito do deserto.

Ana Luiza von Döllinger de Araújo
Belo Horizonte - MG




SOBRE GAIVOTAS E HUMANOS

Requebra em voo a gaivota
Pelos ares praianos
Quiçá estará morta
Ou viva por mais um ano.

Humanos sujam mares
Com lixo na calçada
Humanos poluem ares
Vidas são ameaçadas

Se continuar o ritmo insano
Nem gaivotas, nem humanos.

Anderson Gibathe
Saudade do Iguaçu - PR


  

NATUREZA MORTA
morta natureza
que o homem resenha com seus pincéis afiados
em lâminas e dentes

morta natureza
que serve ao poema pela falta e pela ausência
e inspira o poema pela estranheza

morta natureza
que poetiza a agonia e a perda
daqueles que destroem o próprio oxigênio

Carlos Pessoa Rosa
Atibaia - SP




POESIA RECICLÁVEL

No meio do caminho tinha uma lixeira, avisaria Carlos, mas [ninguém reparou
e Gonçalves sonhava com a terra de palmeiras que a construtora [derrubou
Manuel quer ir embora para Pasárgada, nos rios daqui não pode se [banhar
já Casimiro, da aurora da vida saudoso, inspira dióxido de carbono [no ar
Olavo dizia ouvir estrelas, até que o arranha-céu lhe interpôs a [visão
Não seja do contra, Mário, passará mesmo um dia toda esta [poluição?
O trânsito de carro após carro não mais cabe no poema do Zé Gullar
O meio-ambiente, Vinícius, só é infinito enquanto dure.  Faça-o durar.


Bruna Rodrigues Tschaffon
Niterói - RJ
Fotografei
Na lentes do olhar
O que a tecnologia
Não foi capaz de dimensionar.
O balançar do coqueiro
O odor de maresia
Exalado em sintonia
Com a dança do mar
Sob o sol, que nenhum projetor
Foi capaz de copiar.

Catarina Maul
Petrópolis - RJ



NOTURNO

O céu desenhou
um palco na lagoa:
Grilos estrelam!

Cris Dakinis
Cabo Frio - RJ



VOZ

Uma voz nos arrebata
Passa por vales e montes
Dorme no abrigo da mata
Chora no cantar das fontes;
É voz que sopra dos mares
Dominando as latitudes
Soltando no azul dos ares
Prece de urgente clareza:
Mudem vossas atitudes
E salvem a Natureza!
https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif
Domingos Freire Cardoso
Ílhavo – Portugal

Lixo no chão
sente-se gente:
Por solidão
volta pra gente
na primeira enchente.

Eduardo F. F. de Abreu
Cachoeiras de Macacu - RJ




PITANGUEIRO

Da altíssima, verdejante árvore
Vem a sombra
Que me acolhe
Nutre-me desde pequeno
Rubro, forte, ileso
Eu, hoje
Vasto homem
Repleto de litoral
Incólume, inteiro
Pitangueiro.

Fábio D.A.L. Silva
Florianópolis - SC




ATAQUE AÉREO

o dia claro inventa o poema
as andorinhas tomam de assalto a cidade
na desordem dos acontecimentos
como um movimento popular de ocupação

para reinaugurar a república
propor uma ordem econômica mais justa
na inversão dos valores
do tempo em que água vale
mais do que ouro.

Flavio Machado
Cabo Frio - RJ





SILÊNCIO

Calaram-se para sempre
na queda da última árvore
a motosserra, as aves
e o meu coração.

Francisco Ferreira
Conceição do Mato Dentro - MG



PASTEL DE TRAGÉDIA

Mar marrom
Céu cinza
Terra pastel
Recheada de azeitonas de caroços duros
Cercada de carne triturada moída e tostada
Num óleo antigo como aquele velho vendedor
Em seu caldeirão cheio daquele mar particular
Que chia e sobe em nuvens pesadas de vapor
Transformando o horizonte em aventura crocante
Fazendo minha fome passageira de tragédia ambiental

Frederico Flósculo Pinheiro Barreto
Brasília - DF



PRIMAVERA

Aonde você flor,
eu... beija-flor!


Geraldo Trombin
Americana - SP




O QUE SOBRA?

A araucária embelezou o caminho
E o tapete de pétalas no chão
Floresceu dentro de mim

O mar gigante e azul
E a gaivota que cortou o céu
Mergulhou dentro de mim

E se cortarem a floresta?
E se sujarem o mar?

O que sobra?
O que resta dentro de mim?


Giana Guterres
São José dos Pinhais -PR

  


Para um caminho seguro
temos que agir no presente,
zelando o meio ambiente,
com vistas para o futuro;
sem horizonte obscuro
que nos trate feito algoz,
bom mesmo é ser porta-voz,
dizendo daqui pra frente:
Natureza é permanente,
passageiros somos nós.

Hélio Pedro Souza
Natal -RN





RETROCESSO

Nasci verde!
Respirava feliz até o dia
em que lavaram minha cor
e me pintaram de cinza.
Hoje, o ar me sufoca,
a pressa me comprime
e a paisagem desbotada embaça meus olhos.
É o progresso engolindo
a seiva do meu coração!

Julieta de Souza
Divinópolis - MG


  

MENTE TECNOLÓGICA

Olhe à janela!...
O mundo cresce, globaliza, tecnologiza!
Você se conforta, eu me conforto, nos saciamos;
Um clique, um touch, uma passagem...
E tudo o mais nos parece sorrir!

Olhe à janela!...
Dentro em pouco a contradição.
Mude a lente que mente e verás,
Quem sabe, se assim o quiseres,
Nossos restos pelo chão!

Líam Naví
Biguaçu - SC



  
CINZA

  
O amanhã
                   chegou
                                   cinzento...
                        ... despido de verde...
                                  e de folhas...
                                                           e  não coloriu
                                           minha alma...


Lunara
São Leopoldo - RS





PROPOSTA

De ponto em ponto,
De ponte a ponte,
De ponta a ponta.
Aperte o freio,
Veja a flor,
Olhe o bosque,
Sinta o calor
De ponta a ponta,
De ponte a ponte,
De ponto em ponto.

Marlene Gil
Itararé -SP

  




DOIS TRECHOS
DE UMA CANÇÃO
QUE SE EXTINGUE

Minha terra tem _______
Onde canta o ________:
As _______ que, aqui gorjeiam
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais _____,
Nossas _________ tem mais _______.
Nossos _________ tem mais vida,
Nossa vida mais amores.

Ricardo Gualda
Niterói - RJ




BIODIVERSIDADE

dor me atinge
ao ver a mata devastada

enlaça
todos os seres vivos

uma epiderme
invisível & contínua
nos une

implacavelmente.

Ricardo Mainieri
Porto Alegre - RS



  

PRISÃO

Passarim, na gaiola de ouro,
agradece a migalha de pão.

Menino pensa ele cantar,
escuta encantado,
na tarde de sol.

Isso não é canto, menino!,
é choro…

Rodolfo Minari
Rio Branco -AC





POLUIÇÃO NÃO

Rasga o véu negro de fumaça
Que rouba,
Que esconde o ar
E o tempo dos seres.
Corta o véu,
E leva ao léu
O que mata
O que rompe
E suga a vida
Que ainda resta.

Rosmari Aparecida Capella Fernandes
Araraquara - SP



  
ROTA DE ESTRELAS

A árvore olha o passageiro
A vida é um vulto
Que passa ligeiro.

A abelha distraída
Beijou a flor
Numa lata de bebida.

Pelas janelas do coletivo
Cardumes de estrelas
Boiam no mar ao vivo.

Silvio Valentin Liorbano
Osasco - SP




REDOMA

O verde viçoso que brilha
no olho de cada bicho,
na folha de cada árvore,
no meio ambiente
que o homem insiste em empobrecer
é de esperança -
para que um dia se lembre
que a natureza, os animais
e a humanidade são um só,
conectados.


Solange Firmino
Rio de Janeiro - RJ



  
QUEM AMA CUIDA

Gosto de passarinho.
Em homenagem ao seu voo,
Abro a gaiola e, dentro,
Coloco vento.

Ulisses Tavares

São Paulo - SP

Trovas


Comissão Julgadora de trovas:
Ari Santos de Campos
José Ouverney
Vanda Fagundes Queiroz

Coordenação geral:
Eliana Ruiz Jimenez

Realização: 

André Otávio Vieira de Mello 
MPSC - 5ª. Promotoria de Justiça de Balneário Camboriú/SC




TROVAS EM PORTUGUÊS
 VENCEDORAS
(por ordem alfabética)




Dá medo o “progresso” louco
que, na caçada à riqueza,
dia a dia, pouco a pouco,
vai matando a natureza.
  
A. A. de Assis
Maringá- PR 



Nas longas noites de estio,
eu ouço estranha canção:
São os lamentos do rio
morrendo de poluição...

Angelica Villela Santos
Taubaté - SP 



Passageiro e passageira,
prestem bastante atenção:
- Lixo é só lá na lixeira;
não joguem lixo no chão!

 Antonio Colavite Filho
Santos - SP



Deixe às gerações futuras
mundo melhor, mais perfeito:
amor pelas criaturas
e à natureza, respeito!

Cristina Cacossi
Bragança Paulista - SP



Degradando sem cessar,
o futuro será drástico.
O mundo vai sufocar
nas sacolinhas de plástico.

Dora Oliveira
Ipatinga - MG 



Quantas árvores cortadas
por um machado inclemente!
E nas áreas devastadas,
morre o mundo lentamente.

Dulcídio de Barros Moreira Sobrinho
Juiz de Fora - MG 


Criança conscientizada,
aprende e ensina a teus pais
que a água desperdiçada
é bem que não volta mais...

 Élbea Priscila de Sousa e Silva
Caçapava - SP



O cidadão consciente
toma exemplar atitude:
preserva o meio ambiente
pra preservar a saúde.

Francisco José Pessoa
Fortaleza – CE



Ato que não se concebe,
natureza destruída:
Poluição ninguém bebe,
e nem concreto é comida !

Henrique Eduardo Alves  Pereira
Maracanaú - CE



A luz do sol da alvorada
brilha no mar transparente.
Sendo a praia bem cuidada,
encanta os olhos da gente.
https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif
Madalena Ferrante Pizzatto
Curitiba - PR



Natureza... obra divina,
sopro sagrado de amor,
maravilhosa menina
dos olhos do Criador!!!

Maria Nelsi Sales Dias
Santos - SP



Nem sempre os ventos socorrem
as asas desesperadas
dos passarinhos, que morrem,
na insensatez das queimadas.

 Messias da Rocha
Juiz de Fora - MG



Preservar a natureza,
mais que princípio, dever,
é conservar a beleza,
embelezar o viver.

Olga Maria Dias Ferreira
Pelotas - RS



Você que lê estes versos
nas ruas desta cidade,
não deixe em mãos de perversos
a biodiversidade.

Plácido Amaral
Caicó - RN


“Ganância" é terra ferida,
o homem destrói... põe à venda.
A terra é fonte de vida...
não uma fonte de renda.

Reovaldo Paulichi.
Atibaia - SP

Trovas em espanhol

Concurso Literário Internacional
“Poesía en Omnibús” 
Santa Catarina - Brasil

Coordenação:

Gislaine Canales 
Cristina Olivera Chávez
Eliana Ruiz Jimenez

Comissão Julgadora:

Ameyal Flores Rosas 
Andrik Bannack Álvarez
Eunate Goikoetxea
María Sánchez Fernández 

Realização:

André Otávio Vieira de Mello - MPSC


TROVAS VENCEDORAS




¡Nada quedará en la Tierra!
El hombre es depredador;
destroza, mata y destierra
lo que nos legó el Señor...


Cristina Olivera Chávez
San Antonio – USA




Tenemos hoy que pensar
la riqueza que evaluemos.
Minerales, tierra y mar
para que los preservemos.


Elio Claro
San Juan -  Argentina



La Tierra, agua, fauna y flora
debes cuidarlas a diario,
desde que nace la aurora
¡Amarlas ser solidario!


Israel Davidson Reyes
Guadalajara  - México



Al agua, al aire y al suelo
debemos cuidar y amar...
Convirtamos en un cielo
nuestra tierra secular.


Jaime Hoyos Forero
Bogotá - Colombia



La lápida de cemento
sepulta un cadáver verde.
Mi trova suelta un lamento…
¡Otro bosque que se pierde!


Jorge Emilio Bossa
San Francisco - Argentina



Cuando el mar es transparente
en su fondo brilla el sol...
Cuidemos del medio ambiente
asumiendo nuestro rol.


Libia Carciofetti
Santiago del Estero – Argentina




Cuánto desperdicio dejan
en la playa los turistas,
los pobres peces se quejan
por conductas egoístas.


María Alejandra Civalero
Santa Fe - Argentina



Destruye esta noble casa
el hombre con su inconsciencia;
cuando el medio ambiente arrasa
peligra nuestra existencia.


María Elena Espinosa Mata
San Nicolás de Los Garza - México


Es urgente sin dudarlo
proteger el medio ambiente,
todos debemos cuidarlo
con devoción permanente.


Manuel Salvador Leyva Martínez
Tijuana – México



Ni un trocito de papel
en las playas arrojemos
y lucirán cual vergel
que entre todos cuidaremos.


Teresita Morán Valcheff
Villa Mercedes - Argentina